Videocirurgia

Colecistectomia - Retirada da Vesícula Biliar

Sobre a Cirurgia

Indicação cirúrgica

É feita para que o paciente possa realizar a cirurgia em caráter eletivo, isto é, marcando a cirurgia em um dia programado, escolhendo o cirurgião e o hospital. Isso evita o desconforto de realizá-la em caráter de urgência ou com infecção, o que muitas vezes requer cirurgia aberta ou convencional e internação por vários dias.

Marcação da cirurgia

Geralmente, a cirurgia é marcada previamente. O dia é escolhido e acordado entre o cirurgião e o paciente. Para a realização da cirurgia com segurança, são necessários exames laboratoriais e avaliação cardiológica pré-operatória.

Internação hospitalar

O paciente interna uma hora antes da cirurgia em jejum de no mínimo oito horas (inclusive sem água), e realiza o procedimento sob anestesia geral. A cirurgia varia de 30 minutos a uma hora, dependendo das condições locais de inflamação ou infecção. Em 99% dos casos, pode ser realizada por videolaparoscopia, em apenas 1% dos casos é necessária a conversão (passagem da cirurgia de videolaparoscopia para a convencional – aberta).

Cirurgia

São feitas quatro incisões: uma de 1cm na cicatriz umbilical (por onde é colocada a câmera que dá uma visão ao cirurgião com 20 vezes de aumento e uma luz muito potente), outra de 1cm na altura da boca do estômago, e outras duas de 5mm logo abaixo das costelas à direita, por onde são colocadas pinças para soltar a vesícula. O abdômen é insuflado com gás carbônico para que o cirurgião possa ter espaço para enxergar dentro da cavidade abdominal, e a vesícula com as pedras é retirada pela cicatriz umbilical.

Para soltar a vesícula do canal do fígado, é necessária a utilização de pequenos clipes metálicos (são utilizados, em média, quatro clipes de 3 mm cada). Os clipes ficam na cavidade abdominal em definitivo, porém sem causar danos ao organismo, afinal são de titânio, um material que não provoca reação de corpo estranho. Retira-se também o gás carbônico ao final do procedimento.